As conseqüências do efeito sanfona

Publicado em 3 de outubro de 2009, sábado.

Estudos mostram que manter o peso em excesso é melhor do que passar pelo efeito sanfona. No entanto estes estudos não representam o pensamento da comunidade científica em geral. Há estudos pontuais que relacionam os riscos de câncer renal ao efeito sanfona em mulheres na pós-menopausa. Foi revelado que a adiposidade abdominal é um dos fatores de risco para a incidência do câncer nos rins. Tanto os obesos como também os que perderam peso e o recuperaram depois tiveram aumento da incidência de câncer renal, no entanto os que sofreram do efeito sanfona tiveram maior risco.

O risco de hipertensão e de hipertensão grave na gestação (pré-eclâmpsia), bem como de alterações de lípides circulantes ou mesmo de alterações do humor, como ansiedade e depressão, não se relacionam a ciclismos de peso. Na maioria dos casos, relacionam-se à obesidade. Na realidade, o ato de emagrecer e engordar seguidamente causa efeitos negativos sobre a saúde, mas não há comprovação de que outras doenças crônicas sejam mais comuns em indivíduos que tiveram efeito sanfona.

Trabalhos que envolvem indivíduos que perderam peso e mantiveram essa perda ao longo dos anos mostram que o benefício da perda de peso resulta em menor mortalidade ao longo dos anos.

Veja abaixo alguns males causados pela obesidade:

- Depressão
- Diminuição da auto-estima
- Cansaço
- Apnéia do sono
- Ronco provocado pelo acúmulo de gordura na faringe
- Hipertensão
- Enfarte (insuficiência coronária)
- Derrame
- Varizes
- Hemorróidas
- Cálculo na vesícula
- Cirrose hepática provocada por acúmulo de gordura no fígado
- Refluxo esofágico
- Tumores no intestino e na vesícula
- Artrite
- Artrose

Envie sua mensagem

Copyright 2015 © Bem de Saúde - Todos os direitos reservados

As informações e sugestões contidas nesse site têm caráter meramente informativo, e não substituem o aconselhamento e o acompanhamento de médicos, dentistas, nutricionistas, psicólogos e profissionais de educação física.