Eu quero esse corpo pra mim!

Publicado em 15 de junho de 2009, segunda-feira.

Gisele Bündchen, Juliana Paes, Jennifer Lopez... Não importa qual o seu ideal de beleza. Quando você folheia as revistas femininas fica olhando aqueles corpos esculturais e imaginando "aahh, se eu fosse como ela!". Esquece que por trás daquela imagem perfeita, passaram quilos de maquiagem, altas produções e várias sessões de Photoshop.

Claro que existem mulheres lindíssimas, e bem aí, pertinho de você; aquela amiga magérrima que come de tudo e não engorda uma grama, aquela outra que tem um cabelo de comercial de xampu e não faz absolutamente nada para isso, a outra que tem um rosto com traços desenhados. Claro que a genética influência, e muito. Mas nada impede que você tente se aproximar do seu modelo ideal de beleza (sempre respeitando os seus limites!). Afinal, hoje temos um arsenal enorme pra isso.

Mas o problema reside exatamente no momento em que esse limite é ultrapassado. "A vaidade é normal, e saudável, mas até certo ponto". Os benefícios para o corpo vêm como uma conseqüência disso.

No Brasil, a estatística das pessoas que praticam exercícios orientados é baixíssima, cerca de 2%. Se esse índice fosse maior, inclusive os gastos do governo com saúde pública cairiam drasticamente, em função de todos os benefícios que isso acarreta: redução do stress, prevenção de diversas doenças, entre tantos outros.

Quero ser que nem ela!

Olhar para o lado quando está na academia e ver o corpinho perfeito da colega que veste aquele top bem curtinho, de seios empinados e barriguinha chapada, mata qualquer mulher de inveja. Mas isso pode ser bom, sabia? "Existem mulheres que inclusive incentivam umas às outras. Existem algumas em uma faixa etária mais avançada que têm corpos perfeitos, estão melhores que muita menininha. E se espelhar em um modelo, desde que não seja nada perto do patológico, pode ser um excelente estímulo para se chegar onde se deseja. E um modelo positivo é sempre saudável". A diferença do público que pratica atividade física há muito tempo, sem interrupções, e está chegando aos 45, 50, 60 anos em perfeita forma, é muito grande para aquele que sempre foi sedentário. E, por incrível que pareça, o público aparentemente mais problemático são os mais jovens. É muito comum vermos meninas de apenas 15 ou 16 anos de idade com problemas de obesidade, e relutando em achar uma motivação para começar a praticar atividades físicas. A alimentação errada também contribui para esse quadro. Resumindo, a juventude tem sim preocupação com a estética, mas a preguiça ainda está vencendo a luta.
Hoje em dia as academias oferecem um leque bastante variado de modalidades, para que os praticantes não enjoem de fazer sempre o mesmo tipo de atividade e exercitem o corpo das mais diversas maneiras. Desde as aeróbicas, passando por alongamento, yoga, balance (atividades mais zen), musculação, boxe, entre tantas outras. As academias hoje são também um ponto de encontro, como eram antes os clubes sociais. Um lugar de sociabilidade, de troca de idéias, amizades, e logicamente um centro de lazer que permite ao indivíduo estar bem consigo mesmo.
1º Workshop Mude pela Atitude
1º Workshop Mude pela Atitude

Envie sua mensagem

Copyright 2015 © Bem de Saúde - Todos os direitos reservados

As informações e sugestões contidas nesse site têm caráter meramente informativo, e não substituem o aconselhamento e o acompanhamento de médicos, dentistas, nutricionistas, psicólogos e profissionais de educação física.