Dentes saudáveis na terceira idade

Publicado em 11 de setembro de 2009, sexta-feira.

Os vilões dos dentes, principalmente para as pessoas com mais idade, são as décadas de alimentação incorreta e os hábitos errados de higiene bucal, como não limpar a língua regularmente e escovar os dentes de forma rápida errada. E esses maus hábitos causam doenças na gengiva, que, com o passar dos anos, vão deixando os dentes "moles", afetados pela doença periodontal.

Outro problema que aflige o idoso é a "boca seca" (xerostomia). A saliva tem uma função limpadora, além de proteger dentes, mucosas e tecidos moles da boca e se o paciente não tem essa proteção, é maior a chance de problemas de gengiva e de cáries.

"A odontologia também faz parte da saúde geral do idoso" afirma o Dr. Ruy Fonseca Brunetti, e deve-se acrescentar que muita gente se esquece de ir ao dentista freqüentemente. Existem muitos idosos de 80/90 anos que nunca receberam informações sobre uma higiene bucal adequada. É importante que qualquer pessoa visite o dentista de seis em seis meses. Em caso de próteses, elas devem ser reavaliadas a cada dois anos,o que, geralmente, não acontece. Tem gente que fica muitos e muitos anos com a mesma prótese na boca sem fazer, ao menos, uma revisão.

Com as próteses, o problema cresce ainda mais. A maioria das pessoas não tem o hábito de fazer a manutenção constante regularmente e, com o passar dos anos, elas vão ficando desadaptadas.

Muitos deixam até de usá-las e acabam ingerindo alimentos mais pastosos, o que não é saudável para os dentes, para a musculatura do rosto e para o sistema digestivo funcionar adequadamente. "Quanto mais dentes naturais você tiver, mais coisas saudáveis você poderá comer e sua saúde ficará melhor", afirma o autor.

O país precisa tomar ações para evitar que se percam os dentes na terceira idade e não podemos mais continuar isolados no atendimento aos pacientes. Temos a mesma importância que outros profissionais de saúde no trabalho de contribuir para que as pessoas cheguem à 3a Idade com mais qualidade de vida.

Enquanto isso não acontece, a situação não é das melhores:

Um estudo divulgado ano passado pela Secretaria de Saúde do Estado de São Paulo indica que 64% da população paulista na faixa de 65 a 74 anos são de desdentados. Só 10% possuem mais de 20 dentes, quando de acordo com a Organização Mundial de Saúde (OMS), o percentual deveria ser de 50%.

Um meio preventivo de higiene bucal é, além da escova de dentes e do fio dental (muitos idosos podem e devem usar as escovas interdentais), o uso diário do higienizador de língua, que evita a formação de saburra na parte posterior da língua, onde a escova de dentes não consegue alcançar, pois dá a sensação de ânsia. Este dispositivo, plástico ou metálico, pode ser encontrado em um número cada vez maior de farmácias nos dias atuais. Converse sobre isto com seu dentista, pois além de remover a saburra, ele permite uma limpeza eficiente das papilas gustativas. Isso ajuda a sentir melhor o gosto dos alimentos, evitando-se colocar excesso de sal e/ou açúcar na dieta, que pode prejudicar o controle da hipertensão e diabetes, que são doenças de alta incidência nos idosos.

Quem pensa que ficar com os dentes moles ou mesmo perdê-los na terceira idade é normal, engana-se. O conceito está completamente errado, pois cada vez mais as pessoas estão chegando na terceira idade com muitos, senão todos, os seus dentes naturais, garantindo uma melhor condição mastigatória e de saúde geral.
Dr. Fernando Montenegro

Dr. Fernando Montenegro

O Dr. Fernando é Mestre e Doutor pela USP e coordena Cursos de Especialização em Odontogeriatria na ABENO e ABO. Em seus cursos os pacientes idosos são atendidos a preço de custo e por dentistas formados que estão se especializando na área. Clique aqui para conhecer mais nosso(a) especialista.

Copyright 2017 © Bem de Saúde - Todos os direitos reservados

As informações e sugestões contidas nesse site têm caráter meramente informativo, e não substituem o aconselhamento e o acompanhamento de médicos, dentistas, nutricionistas, psicólogos e profissionais de educação física.